Gripe H1N1 ou influenza A/H1N1: saiba mais sobre a doença, sintomas, prevenção, vacina e tratamento


Segundo dados divulgados pelo Ministério da Saúde [1], até 19 de março, o país já havia registrado 305 casos e 46 mortes por decorrência do vírus H1N1. O número de óbitos pela gripe H1N1 já ultrapassa as mortes por infecção do vírus influenza registradas em 2015, quando durante o ano inteiro foram contabilizadas 36 mortes pelo vírus H1N1.

 

Gripe H1N1 ou influenza A/H1N1: saiba mais sobre a doença, sintomas, prevenção, vacina e tratamento

 
O vírus influenza, identificado popularmente como gripe suína, voltou a causar grande preocupação aos brasileiros, principalmente, nas regiões sul e sudeste, onde estão registrados os maiores índices de pessoas contaminadas pela doença. Segundo dados divulgados pelo Ministério da Saúde [1], até 19 de março, o país já havia registrado 305 casos e 46 mortes por decorrência do vírus H1N1. O número de óbitos pela gripe H1N1 já ultrapassa as mortes por infecção do vírus influenza registradas em 2015, quando durante o ano inteiro foram contabilizadas 36 mortes pelo vírus H1N1.

O que é o vírus influenza A/H1N1?

A gripe H1N1, ou influenza A, é originada pelo vírus H1N1 da influenza do tipo A. Entretanto, existem três categorias de vírus influenza, são elas: A, B e C. O vírus influenza C é considerado como o mais brando, pois geralmente causa infecções respiratórias leves, além de não exercer grandes impactos na saúde pública, por não estar associado à epidemias generalizadas. Já o vírus influenza A e B são altamente preocupantes, uma vez que causam epidemias sazonais, em especial, o vírus influenza A, responsável pelas epidemias de grandes proporções.

Os vírus influenza A ainda são divididos em subtipos ou em cepas virais, dependendo das proteínas de superfície com as quais eles se relacionam (hemaglutina - HA ou H e neuraminidase - NA ou N). Entre as cepas virais da influenza A, as mais comuns são as do tipo A (H1N1) e A (H3N2), que circulam com maior frequência em humanos.

Pesquisas indicam que o vírus H1N1 da influenza do tipo A, pode ser uma consequência da combinação de segmentos genéticos do vírus humano da gripe, junto aos vírus da gripe aviária e da gripe suína, responsáveis pela infecção de porcos. Porém, não há registros de transmissão do subtipo da influenza A/H1N1 através da ingestão de carne de porco, pois ele é eliminado por meio do cozimento em temperatura intensa (71º Celsius).

A transmissão do vírus influenza A/H1N1 é muito similar a forma de transmissão do vírus da gripe comum. Ela pode ocorrer até mesmo antes do aparecimento dos sintomas. A infecção ocorre por meio do contato direto com objetos contaminados e de pessoa para pessoa-contágio, através de via área ou através de partículas de saliva e de secreções das vias áreas.

O período de incubação varia entre 3 a 7 dias, esse é o tempo para que os sintomas se manifestem após a infecção. Já a transmissão do vírus ou contágio de outras pessoas pode se manifestar em até 7 dia após o início da doença.

H1N1 sintomas - Influenza A sintomas:

- Febre alta súbita (acima, de 38º,39º);
- Dor muscular;
- Dor de cabeça;
- Dor de garganta;
- Dor nas articulações;
- Irritação na região dos olhos;
- Tosse;
- Coriza;
- Cansaço;
- Inapetência.

Em alguns casos, sintomas como vômitos e diarreia também podem se manifestar.

As principais complicações decorrentes da influenza A/H1N1 são infecções bacterianas secundárias, caracterizadas, em especial, pelas pneumonias - crises de insuficiência respiratória. Caso as complicações não sejam tratadas com extrema urgência, elas podem levar a óbito.

Diferenças entre a gripe comum e o vírus H1N1:

H1N1 Diagnóstico:

Geralmente, os especialistas que podem diagnosticar a gripe H1N1 são: clínico geral, infectologista e pneumologista.

Caso seja identificado no paciente o quadro de sinais e sintomas característicos aos da gripe H1N1, juntamente de suas complicações, o médico solicitará a coleta de uma amostra de secreção do paciente para que ela seja analisada de maneira detalhada em um laboratório.

São considerados como grupo de risco:

- Idosos;
- Crianças novas (menores de 2 anos de idade);
- Gestantes;
- Portadores de doenças crônicas;
- Pacientes imunodeprimidos.

Gripe H1N1 vacina:

A vacinação contra a gripe H1N1 ou influenza A, é a medida mais importante para reduzir o impacto do vírus e prevenir a doença. A composição da vacina contra a gripe influenza A/H1N1 é atualizada a cada ano, conforme recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) para o Hemisfério Sul e Hemisfério Norte. A reformulação constante da vacina contra o vírus influenza se faz necessária devido às frequêntes mudanças e adaptações que o vírus sofre.

A fabricação da vacina é composta à base de subtipos do vírus que estejam circulando e causando surtos ao redor do mundo. A última vacina reformulada e aprovada pela OMS e pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária é a vacina quadrivalente - tetravalente, que apresenta em sua composição uma nova cepa (subtipo) do vírus influenza que não estava contemplada na vacina anterior, chamada de vacina trivalente, que atua somente contra três cepas do vírus influenza. Por enquanto, a vacina quadrivalente está disponível somente em clínicas privadas de saúde.

A vacina contra a gripe H1N1 conhecida internacionalmente como Fluarix Tetra (GSK) é quadrivalente, ou seja, ela atua contra as quatro cepas do vírus (A/H1N1, A/H3N2, B/Victoria e B/Yamagata), portanto, a vacina aumenta as chances de proteção contra a gripe. Segundo dados do Ministério da Saúde [2], a imunização da vacina Fluarix Tetra pode ajudar a reduzir em até 45% a quantidade de hospitalizações por pneumonias (uma das principais complicações causadas pela influenza) e 75% a mortalidade por possíveis complicações da gripe influenza.

Gripe H1N1 tratamento:

Depois de diagnosticado a infecção por meio do vírus influenza, é de extrema importância evitar a automedicação. Utilizar medicamentos sem recomendação médica pode contribuir para o aparecimento de novas cepas resistentes à medicação. Geralmente, após o diagnóstico são recomendados antivirais específicos para o tratamento da gripe influenza em pessoas que estejam suscetíveis a desenvolver complicações. Caso tais medicamentos sejam administrados nas primeiras 48 horas, eles têm maior probabilidade de apresentar resultados positivos.

Além da medicação especifica boa hidratação e repouso também são recomendados como parte do tratamento.

A vacinação ainda é a melhor forma de prevenir a gripe influenza, sendo recomendada como medida preventiva em todo o mundo.

H1N1 prevenção:

O Ministério da Saúde também recomenda algumas medidas básicas que podem auxiliar na prevenção contra a gripe H1N1.

H1N1 Ministério da Saúde:

A melhor forma de intervir no surto e prevenir o contágio do vírus influenza é por meio da vacinação. A vacinação é forma mais eficaz de prevenção contra a gripe H1N1 ou influenza A.

 

Fonte 1 - http://g1.globo.com/bemestar/noticia/2016/04/h1n1-saiba-mais-sobre-vacina-prevencao-sintoma-e-tratamento.html

Fonte 2 - http://setorsaude.com.br/vacina-contra-quatro-cepas-do-virus-influenza-esta-disponivel-em-clinicas-privadas/

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Karina Silva Farias