Estudo revela que antiinflamatório pode reduzir risco de mal de Parkinson


Por outro lado, uso diário e prolongado pode aumentar risco para derrame e infarto

Um estudo pago pela Fundação Michael J Fox e feito com mais de 135 mil homens e mulheres foi publicado na revista "Neurology" .Ele revela que as pessoas que tomam o analgésico ibuprofeno de duas a três vezes por semana correm 40% menos risco de desenvolver o mal de Parkinson. O trabalho foi conduzido por pesquisadores da Harvard School of Public Health e do Research and Development at Parkinson's, no Reino Unido.  

Já havia uma suspeita por parte da comunidade médica de que os anti-inflamatórios poderiam ajudar a proteger contra o mal de Parkinson, mas ainda não estava claro qual remédio tinha esse benefício. A razão é que não é fácil descobrir exatamente o efeito do medicamento na morte de neurônios e como ele pode afetar o aparecimento da enfermidade. Suspeita-se que o ibupofreno é capaz de bloquear o mecanismo de destruição dos neurônios e sua morte. Os pesquisadores acreditam que mudanças inflamatórias no cérebro podem estar envolvidas na morte de células cerebrais.   

 
Por outro lado, uma pesquisa recente publicada no "British Medical Journal" associou o uso diário e prolongado de ibuprofeno a um risco maior de infarto e derrame.  Por isso, especialistas afirmam que é cedo para recomendar o ibuprofeno para proteger contra o mal de Parkinson por contas dos possíveis efeitos colaterais, como sangramento gastrointestinal e risco de causar outras doenças.

Fonte:  Agência Comunicado