Como reduzir a oleosidade da pele?


Dicas simples podem acabar com o brilho característico da pele oleosa

 

Quem tem pele oleosa sabe a dificuldade em controlar o excesso de brilho, principalmente o concentrado na “zona T” do rosto (testa, nariz e queixo). Poros dilatados, cravos e espinhas podem acabar com a autoestima de qualquer um, mas algumas medidas simples no dia a dia podem amenizar o problema.

A pele oleosa é causada devido a produção excessiva de sebo pelas glândulas sebáceas e atinge cerca de 80% das mulheres jovens. De acordo com a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) um dos principais motivos para que a pele seja oleosa é a herança genética. Porém, outros fatores como alterações hormonais, excesso de sol, variações climáticas, estresse e uma dieta rica em alimentos com alto teor de gordura, também podem contribuir para a oleosidade da pele.

A dermatologista Shirlei Borelli explica que, além dos fatores já citados, o uso de produtos inadequados também é um agravante para a pele oleosa. “Pacientes com pele oleosa geralmente apresentam uma predisposição individual, porém o uso de produtos inadequados pode piorar essa condição. Recomendamos o uso de produtos oil-free (livre de óleo), adstringentes ou com poder matificante (toque seco).

Limpeza da pele oleosa:

 

Quem tem a pele oleosa deve ter atenção redobrada com sua limpeza, visto que há maiores chances de acúmulo de resíduos e obstrução dos poros, o que favorece o surgimento de acne. Dessa forma, é importante criar uma rotina diária de limpeza com os produtos adequados para o seu tipo de pele.

A dermatologista explica que limpar a pele 2 vezes ao dia (ao acordar e antes de dormir) é suficiente para controlar a oleosidade, além de eliminar os resíduos de maquiagem e outros produtos, poluentes e poeira. Lavar a pele várias vezes ao dia pode estimular a produção de oleosidade e provocar efeito rebote.

A temperatura da água também deve ser levada em consideração. É recomendado utilizar água fria, pois a água quente remove a oleosidade natural da pele, incentivando as glândulas sebáceas a produzir mais óleo. Os produtos utilizados para a limpeza da pele devem ser recomendados pelo dermatologista e específicos para o seu tipo de pele. 

Ao contrário do que muitos pensam, a hidratação da pele oleosa é muito importante, pois o ressecamento da pele pode estimular a produção de mais óleo. Existem no mercado diversas opções de produtos não-oleosos, que não deixam resíduos e que não causam a obstrução dos poros da pele. Geralmente, eles são disponibilizados em forma de gel, gel-creme, loção ou sérum e não possuem óleo na composição.

“O tratamento da pele oleosa deve ser feito de modo individualizado e orientado corretamente por um médico dermatologista. O tratamento baseia-se desde o uso de sabonetes adequados até à realização de procedimentos à base de peelings e laser realizados em consultório”, conclui.

 

Dra. Shirlei Borelli

CREMESP 44.236 

Médica dermatologista pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD).

www.dermat.com.br 

 

Fonte:

Sociedade Brasileira de Dermatologia 

Vanessa Ferreira