Anemia em pacientes com insuficiência renal crônica


Entre as causas consideradas como mais comuns que também contribuem para o aparecimento de anemia em pacientes que possuem IRC, estão destacadas as seguintes: deficiência de ferro, de ácido fólico e de vitamina B12...

 

A anemia é uma condição que está presente de forma frequente em pacientes com Insuficiência Renal Crônica (IRC).  Suas causas podem estar associadas a diversos fatores, sendo a deficiência de eritropoetina considerada um dos principais.

Entre as causas consideradas como mais comuns que também contribuem para o aparecimento de anemia em pacientes que possuem IRC, estão destacadas as seguintes:  deficiência de ferro, de ácido fólico e de vitamina B12, perdas sanguíneas, hemólise  e inflamação. É importante destacar que a deficiência de ferro é tida como a situação mais comum (52%)[1]. Todas essas condições necessitam de pesquisas antes de iniciar o tratamento à base de reposição de eritropoetina. 

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a definição clássica de anemia é a seguinte:  há a existência de anemia a partir do momento em que a  hemoglobina for < 13 g/dl em homens e mulheres na pós-menopausa e < 12 g/dl em mulheres na pré-menopausa. Esta condição estará presente em cerca de 90% dos pacientes com IRC e taxa de filtração glomerular < 25-30 ml/min1[2].  Ademais é fundamental evidenciar que a presença de anemia necessita de investigação em pacientes com depuração de creatinina entre 30-60 ml/min, 73m2 de superfície corpórea. 

Em suma, com base nas pesquisas aqui estudadas, o consenso geral é de que todas as causas da anemia em pacientes com IRC devem ser pesquisadas/investigadas antes do início de qualquer tratamento. Dentre os exames que poderão ser solicitados durante a investigação dos fatores associados à anemia em pacientes portadores de IRC estão:

- Índices hematimétricos;
- Contagem de reticulócitos;
- Ferro sérico;
- Saturação de transferrina;
- Ferritina sérica;
- Pesquisa de sangue oculto nas fezes.

Em casos nos quais a existência de anemia em pacientes portadores de IRC esteja associada à deficiência de ferro a reposição do mineral deverá ser feita previamente (antes do inicio) do tratamento à base de eritropoetina. Somente o médico poderá diagnosticar e prescrever o tratamento adequado nestas situações.

Qual é a importância da eritropoetina e do ferro em pacientes com anemia que são portadores de IRC?

A fabricação de hemácias/glóbulos vermelhos necessita, dentre outros fatores, de uma concentração adequada de eritropoetina, bem como de uma quantidade satisfatória do estoque de ferro no corpo. Devido a esta dependência, em casos nos quais há o diagnostico de deficiência de ferro no organismo, bem como de que esta deficiência esteja associada à anemia em pacientes com IRC, a reposição do ferro é extremamente fundamental e imperiosa.

Eritropoetina o que é?

Eritropoetina humana, também conhecida a partir da nomenclatura EPO, é definida como um hormônio glicoprotéico produzido em especial pelos rins. 

Eritropoetina para que serve?

Eritropoetina ou EPO exerce a função de controlar a produção de hemácias do sangue (glóbulos vermelhos. O hormônio atua como fator de crescimento e exerce ações que estimulam a composição/maturação de eritrócitos/glóbulos vermelhos. 

Eritropoetina humana recombinante:

É a eritropoetina obtida por meio do procedimento conhecido como: técnica de recombinação genética. A EPO adquirida através dessa técnica especifica é semelhante à eritropoetina humana fabricada/secretada pelos rins.

Fontes:

http://www.ufvjm.edu.br/disciplinas/dcb050/files/2014/05/Anemia-da-doen%C3%A7a-renal-cronica.pdf

 http://www.saude.campinas.sp.gov.br/assist_farmaceutica/pcdt/anemia_reposicao_ferro/pcdt_anemia_irc_ferro_livro_2010.pdf

 

Karina Silva Farias