Anastrozol e Tamoxifeno: caminhos diferentes no combate ao câncer de mama


A possibilidade de que o câncer de mama poderia ser evitado através do uso de comprimidos é algo que os pesquisadores vêm estudando desde 1980. Tomar medicamento...

 

Anastrozol e Tamoxifeno: caminhos diferentes no combate ao câncer de mama
 
A possibilidade de que o câncer de mama poderia ser evitado através do uso de comprimidos é algo que os pesquisadores vêm estudando desde 1980. Tomar medicamento para prevenir o câncer só faz sentido se os benefícios superarem os ricos somados. Embora o medicamento tamoxifeno tenha seus benefícios, também pode causar efeitos secundários graves como o aumento do risco de coágulo sanguíneos.
 
Devido a isso quando os resultados de certos estudos foram divulgados, foi com muita animação, pois sugere que outra droga usada para tratar câncer de mama chamada anastrozol pode ser ainda melhor para a prevenção do câncer de mama em algumas mulheres, além de também provocar efeitos colaterais menos graves.
 
As mulheres que tomam anastrozol todos os dias por cinco anos diminuíram pela metade o risco de desenvolver a doença. Além disso, existe outro benefício: mulheres que tomaram o anastrozol tiveram menos efeitos colaterais como dores mais moderadas nas articulações.
 
O anastrozol e o tamoxifeno são caminhos diferentes para o mesmo objetivo. Mas antes é necessário saber como o anastrozol funciona: Depois que as mulheres passam pela menopausa o estrogênio não é mais produzido pelos ovários, em vez disso é feito por uma enzima chamada aromatase que é encontrado nos tecidos gordos como seios, músculo e pele.
 
O anastrozol é inibidor da aromatase, ou seja, bloqueia sua ação e assim diminui a quantidade de estrogênio em mulheres na pós-menopausa. Há dois outros fármacos inibidores da aromatase usados para tratar o câncer de mama, o exemestane e letrozol . O exemestane já mostrou resultados promissores para a prevenção do câncer de mama e o letrozol também está sendo investigado.
 
O tamoxifeno é um dos tratamentos mais eficazes de câncer de mama já desenvolvido. Ele também funciona ao bloquear a ação do estrogênio, mas faz isso de uma maneira diferente.
 
O anastrozol interrompe a produção do hormônio e o tamoxifeno bloqueia a atividade do estrogênio. Este tipo de terapia é chamada moduladores de receptores de estrogênio seletivos.
 
Devido a estas ações diferentes no organismo, o tamoxifeno ou anastrozol são utilizados dependendo do estágio em que a doença da mulher se encontra. O Anastrozol só pode ser usado em mulheres que passaram pela menopausa e o tamoxifeno pode ser usado nas que já passaram ou não pela menopausa.

Quais mulheres são consideradas as que se encontram em alto risco?
 
No Reino Unido o câncer de mama é o câncer mais comum, afetando cerca de 50.000 mulheres a cada ano. Algumas mulheres se encontram no grupo de maior risco de desenvolver a doença, geralmente se elas têm um número de parentes com câncer de mama, tiveram certos tipos de doença benigna na mama ou possuem uma alta densidade de mama.
 
Um estudo investigou se o anastrozol pode ser usado para prevenir o câncer da mama em mulheres pós-menopausa que têm um risco superior à média de ter a doença. Neste estudo, as mulheres tinham o dobro do risco de desenvolver o câncer de mama em comparação com a população em geral. 
 
Os resultados: Quase 4.000 mulheres pós-menopausa participaram e receberam o anastrozol ou um placebo durante cinco anos. Entre aquelas que tomaram o anastrozol, o risco de câncer de mama caiu em 53%%.
 
É importante saber que este tratamento não é livre de efeitos colaterais. Houve um aumento no número de pacientes que apresentaram dores articulares, mas não ocorreram eventos mais graves, como ataques cardíacos ou fraturas, em comparação com o grupo placebo. Por outro lado,o tamoxifeno aumenta o risco de coágulos sanguíneos e câncer do endométrio.
 
 
Carina Xavier