Afinitor: Nova opção de tratamento para o câncer de mama


Afinitor everolimo também é muito útil para tratar adultos e crianças com tumores neuroendócrinos de origem pancreática e para o tratamento de doentes com carcinoma de células renais em estágio avançado

Atualmente, há no mercado diversos tratamentos eficazes contra o câncer de mama, um deles é o medicamento Afinitor (everolimo), utilizado como um auxiliar para tratar o câncer de mama HER2-negativo, indicado, principalmente, em mulheres na pós-menopausa que já receberam outros tratamentos para o câncer de mama.

O medicamento Afinitor é um dos medicamentos mais revolucionários no tratamento do câncer, principalmente, do câncer de mama, devido a sua eficácia, não só em inibir a progressão da doença, mas como uma opção em substituição a tratamentos mais invasivos como a quimioterapia. 

Além disso, Afinitor everolimo também é muito útil para tratar adultos e crianças com tumores neuroendócrinos de origem pancreática e para o tratamento de doentes com carcinoma de células renais em estágio avançado.

Os efeitos colaterais mais comuns com o uso do medicamento Afinitor incluem úlceras na boca, dor, diarreia e redução do apetite. Essa é mais uma vantagem da administração de Afinitor, que proporciona um tratamento menos agressivo e com menor incidência de efeitos colaterais.

O que é câncer de mama?

O câncer de mama é um tumor maligno que se desenvolve nas glândulas mamárias, como consequência de alterações genéticas em algum conjunto de células da mama, que passam a se multiplicar descontroladamente. 

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), o câncer da mama é o tipo de câncer que mais acomete as mulheres em todo o mundo, sendo 1,38 milhões de novos casos e 458 mil mortes pela doença por ano. A boa notícia é que o câncer de mama tem cura, quando diagnosticado e tratado ainda em fase inicial, isto é, quando o nódulo é menor que 1 centímetro. Nesses casos as chances de cura do câncer de mama podem chegar a até 95%.

Os tumores nesse estágio são pequenos demais para serem detectados por palpação, mas são visíveis na mamografia. Portanto, é fundamental que toda mulher faça uma mamografia por ano a partir dos 40 anos. Quanto mais cedo ele for detectado, mais fácil será sua cura. A detecção precoce é uma estratégia fundamental na luta contra o câncer de mama.

Vanessa Ferreira