14 de Junho - Dia Mundial do Doador de Sangue


Doar sangue não dói, é rápido e salva muitas vidas

A cada dois segundos, um paciente necessita de transfusão de sangue no Brasil. Apenas uma doação voluntária é capaz de salvar quatro vidas. Manter os bancos de sangue estocados é uma difícil missão e, por isso, hospitais, fundações e ONGs estão sempre engajados, promovendo campanhas e mobilizações para incentivar as pessoas que se encaixarem nas exigências a doarem sangue voluntariamente.
 
Atualmente, a posição de estoque é crítica para os sangues tipo O positivo e O negativo, situação que preocupa as centrais de emergências dos hospitais, pois estes dois tipos são considerados doadores universais, ou seja, são compatíveis com todos os outros tipos de sangue (A+, A-, B+, B-, AB+, AB-)
 
As condições básicas para doação de sangue são: 
 
- Estar em boas condições de saúde; 
- Apresentar documento com foto, válido em todo território nacional
- Ter entre 18 e 65 anos de idade
- Ter peso acima de 50Kg
 
Antes da doação, é necessário o preenchimento de um formulário com dados pessoais (nome e endereço, para que seja enviado um cartão de doador à residência) e perguntas sobre possíveis doenças, consumo de cigarros e bebidas, gestação, se está em período de amamentação, entre outras.
 
Todo o processo de doação de sangue dura cerca de uma hora e a reposição do plasma sanguíneo – maior componente do sangue – ocorre em 24 horas. Entretanto, para o organismo atingir o mesmo nível de ferro que apresentava antes da doação, são necessários de 40 a 60 dias para os homens e de 50 a 90 dias para as mulheres. Estes são os intervalos mínimos entre as doações que devem ser respeitados.
 
Quem precisa de uma transfusão de sangue depende da solidariedade das outras pessoas.  Doar sangue não dói, é rápido e seguro. A satisfação de salvar uma vida é a maior recompensa!
 
Por: AgComunicado